DECIMAR BIAGINI

DECIMAR BIAGINI
Advogado e Poeta Cruzaltense

Entre em contato com o advogado Decimar Biagini

Nome

E-mail *

Mensagem *

domingo, 30 de novembro de 2008

Soneto Livre ao Magoar


Soneto Livre ao Magoar


Como sou tolo

Murchei uma flor

Amassei-na com rolo

O arrependimento é dor


Minha sorte é que lá existe um jardim

Em breve nascerá outra flor na mesma roseira

Mas o esperar vai trazendo angústia sem fim

Tudo por meu jeito louco de fazer besteira


Esperarei então,

fingindo que nada aconteceu?

Pedirei perdão?


Esta hora o orgulho já se estabeleceu

Mas, pensando bem, não posso conviver com rejeição

Acho que algo de mim hoje se perdeu


Decimar Biagini


sábado, 29 de novembro de 2008

Soneto Livre ao Final de Semana Livre


Chega o final de semana
Hora de largar tudo para o alto
Para que a gente se engana
Se o melhor mesmo é dar um salto?

É quando decidimos pular daquele penhasco
Num vôo livre, de mãos dadas e sem medo
Nada melhor que fugirmos sem deixar rastro
Numa fazenda, numa praia ou num vinhedo

Coisa boa quando somos nós
Desbravando novos mares
Como Alice no mundo mágico de ós

Seguindo nosso instinto conhecendo lugares
Depois das viagens bate o cansaço
Aí é hora de sentirmos o doce voltar para nossos lares

Decimar Biagini

Assista o vídeo-soneto :  http://br.youtube.com/watch?v=xZ0TqOocUEw

Soneto Livre ao Vestir Livre

http://www.youtube.com/watch?v=QskC4fLQUs4  (Clique e assista no youtube)


O Dia está cada vez mais quente
É só que o povo fala pelas ruas
O ser humano nunca está contente
Reclama até das pessoas nuas

Lindas roupas que se encurtam
Afrontando todo tipo de olhar
Não é só o modismo que cultuam
Mas também uma forma de se amar

Tem que ter muita coragem
Coragem para encarar
Tem pessoa que é miragem

Tem pessoa que é melhor disparar
Entre agressões e encanto pela imagem
O bom do verão é apenas o admirar

Decimar Biagini, olhando o verão pela janela do seu escritório

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Soneto Livre ao Poeta Atarefado

Soneto Livre ao Poeta Atarefado

Não falta-me inspiração
Falta-me aquele tempo
Não falta-me a emoção
Só espero um momento

Não desejo mudar o coração
Nem o mundo que me cerca
Apenas acomodei a imaginação
Com uma nova janela aberta

O Poeta não vai morrer
As páginas ainda viro
No prazer de ler e viver

Com arco e flecha ainda miro
no amor que desejo ter
Desse cenário eu não me retiro

Decimar Biagini

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Soneto Livre aos Sonetistas Livres




Nossa senhora aparecida
Quanta gente boa sonetando
Não tem coisa melhor na vida
Que ver soneto se libertando

Que derramem sentimentos
Com seus vastos vocabulários
Que possam colher lindos lírios
Mesmo em campos adversários

Pode ser em homenagem aos filhos
Pois são os sonetos utensílios
Que nos trazem sentimentos vários

Que libertem-se nas suas viagens
Navegando para dentro de nós
Ou simplesmente em vôos livres

Decimar Biagini, após ficar encantado com a libertação de Sacharuk e Anorkinda.

domingo, 23 de novembro de 2008

Soneto do Amor


Chega de fugir
Para que nos enganarmos
Não sabemos fingir
Tudo conspira para amarmos


Nesse soneto que faço
Num papel higiênico
Enquanto molha o seu cansaço
Meu natural briga com o cênico


Digo isso pois perdi o roteiro
Aquele que escrevi você rasgou
Pois lá não tinha seu olhar, seu cheiro


O amor hoje tem nome
Tem voz, tem endereço
Me faz sentir fome após o recomeço



Mais: http://decimarbiagini.blogspot.com

Assista esse soneto no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=WQkzpqa6_nA

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

SONETO LIVRE AO CASTELO INVADIDO



Soneto Livre ao Castelo Invadido

Quando chego é sempre um recomeçar
O meu medo é não mais chegar
No seu castelo sinto-me protegido
Sou apenas um plebeu, mas com você sou ungido

Ás vezes o fosso se alarga
Luto com jacarés e piranhas
Implorar pela ponte elevadiça
É a sina de um invasor cheio de manhas

De sorte que suas defesas se abrem
Coisas de quem cede à conquista
Antes que os dias se acabem

O medo da solidão é recíproco
Acostumados com as leis de nosso reinado
Abrimos mão de autosuficiência por uma paixão louca

Decimar Biagini

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Deletando o Hoje

Recebas o carinho que te ofereço
O outrem foi repleto de momentos plenos
O Hoje vem com reservas no começo
Já o amanhã encoberto, este não saberemos
Colocaremos o amanhã no ontem para ver o que que dá
Deixaremos que nossos caminhos nos apontem
De repente o hoje simplesmente não existirá
Ao findar desse nublado e chuviscado dia
Em que tudo parece trovejante
Esperaremos pela repetição daquela harmonia
E aí tudo será como era antes

Decimar Biagini, num dia nublado

terça-feira, 18 de novembro de 2008

A Árvore de tua vida, ou a vida de tua árvore?

A Árvore de tua vida, ou a vida de tua árvore?

Não adianta ir cortando cada raminho ou pastinho que encontras
Tente olhar o todo, quanta erva daninha, quanta coisa te atormenta
Seu tronco já foi tão forte, o que fez com seus galhos, suas pontas?
Seu amor não é uma arma, não é um brinquedo, é uma ferramenta

Lembres de quantos amores já gravaram seu nome em tua casca
Mas lembres que nem sempre o fizeram nos dois lados do tronco
Talvez não tivessem a oportunidade, é então que o amor se afasta
Mas galho sobre galho erguestes tua angústia, rumo ao teu encontro

Hoje nesses versos percorro a essência de tua seiva escondida
Só quero que não deixes que as raposas a tornem oca
Pois sem que não projetastes para ti um vazio na tua vida

Lembre que tu vives num arvoredo e que a iluminação é pouca
Por isso, teu silêncio externo não diz nada, mas trazes raíz ferida
Não traz o amor senão o amor em teus frutos, então tenhas forças

Decimar Biagini


segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Soneto Livre à Aceitação Livre

http://www.youtube.com/watch?v=JE5c46mV8QU

Quando opto por mostrar minha sinceridade
Sinto que não há dor maior que a verdade
Não te desesperes, com a minha realidade
Aqui já não verás um ser sem sua metade

Queria ser manso e humilde de coração
Mas nunca fui muito exemplar em virtudes
Sou pura tempestade, sou mar em rebentação
Só espero que depois disso também mudes

Espero ainda que não te enganes com meras palavras
Não acredite mais em seres pela metade
Antes, te desapegues do amor que te enganavas

Não te deixes mais levar pela lembrança que te invade
Espero que possas aprender com novas mágoas
Por fim, continues acreditando no amor, pois nunca é tarde

Decimar Biagini

domingo, 16 de novembro de 2008

Soneto Livre às Lembranças Prisioneiras

http://www.youtube.com/watch?v=zP6R0pzJcHU

Soneto Livre às Lembranças Prisioneiras

Eu quisera ser sempre alegre, mas o crescimento está no triste
Porém ante teu lindo sorriso, minha tristeza se desfaz por instantes
Não gosto de falar nisso, como se esvai o fumo na brasa que existe
e se desfaz as pegadas do viajante no deserto, após as tempestades


Dois sangues jorrados no mesmo rio
Eis que a àgua se espalha, 
me deixando num grande vazio
Resta teu sorriso e choro, naquela batalha

Somos ambos de noite densa
entre lanternas e faróis
Relatos de momentos tensos

Confissões abaixo dos lençois
Na grama ou na lona, somos propensos
A buscar o que fugiu de nós

Decimar Biagini
video

sábado, 15 de novembro de 2008

Soneto Livre às Noites de Verão

http://www.youtube.com/watch?v=Vdw6afvYzx0

Soneto Livre às Noites de Verão

Uma resposta ao organismo
à agressão que sofri
São tantas as agressões
Que a ressaca não percebi

Quero parar com isso
Mas a resposta é inevitável
Me sinto um bicho
Nessa selva nada amável

Me perdi no meio do caminho
Esta semana não acredito no amor
No verão não se toma vinho

O romantismo perdeu o sabor
O que fazer com tantas possibilidades?
O que sentir, sem também ter dor?

Decimar Biagini

Soneto Livre ao Encontro Livre

http://www.youtube.com/watch?v=lybqsrR1eTA

Dois espelhos d'água
Na busca do intangível
Não sabem o que é mágoa
Numa entrega invencível

Quando se encontram
Geralmente na madrugada
Confissões Remontam
Da virtual empreitada

Quando não acham graça
Franzem a testa interpretando
Melhor não há quem faça

Seu território vão conquistando
Não são como toda massa
São leões caçando

Decimar Biagini, 14 de novembro de 2008

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Soneto Livre* ao Resgate Livre




Se estiver desacreditado,

que alguém faça que se ame cada vez mais

Se sentir-se rejeitado, recorra aos que ainda lhe dirigem um olhar amigo

Se algo der errado,não fique iludido no erro, prossiga e não o repita jamais

Se for julgado, reconheça que nenhum julgamento humano lhe é digno



Se tiver caído,
receba minha mão, ao menos dessa vez,

meu benigníssimo Amigo



Se for humilhado,

Lembre-se que no final do jogo de xadrez,

as peças irão para a mesma caixa, ficando lado a lado



Decimar Biagini



*Os sonetos livres são uma revolta contra a métrica, mantendo-se o formato e a essência poética, dentre os precursores no brasil temos Oswald de Andrade, com marco na semana da arte moderna em 1922.

domingo, 9 de novembro de 2008

Soneto Livre aos Sentimentos Comuns

http://br.youtube.com/watch?v=7N-sVJSZ4uo

Lá no fundo todos nós somos iguais
Tento nesse soneto reconfortar minha alma
Buscando soluções mais naturais
No fundo, ao coração pedimos calma

Nos tornamos responsáveis eternamente pelos que conquistamos
Portanto não pedimos licença para entrar em seus corações
Muito menos para desapontá-los ou quando deles nos retiramos
No fundo, tentamos enfrentar nossos conflitos e indagações

O que eu sinto aqui dentro tu também poderás sentir
De repente não sou metade do que já fui
Espero que tu resolvas teus problemas antes de dormir

Eu tentei resolver os meus, indo beber no bar Rapanui
Arrumei outra dor, passageira, embora a cabeça pareça explodir
Se tu souberes de um engov existencial, digas quem o distribui

Decimar Biagini (Relatos de um final de semana)

sábado, 8 de novembro de 2008

TRÊS PALAVRAS E O SONETO IMPROVISADO

http://www.youtube.com/watch?v=UJAI-L8pJa0
SONETO LIVRE À AUDIÊNCIA LIVRE

Pois, bem amigos
Não sou o Galvão
Não acho os globais buenos
Me causam má sensação

A tv me deixa burro
Como diz aquela música
O botão off sempre empurro
Percebendo o perigo no que se publica

Prefiro brincar com as letras
Assim finjo ser inteligente
Meus amigos não são bestas

Entendem a imperfeição da gente
Lêem meus improvisos e besteiras
Mas o importante é que isso nos reinvente

Tópico Três Palavras Na Comuna Orkutiana Brincando Com As Letras http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=74850913&tid=5264444828934013329&na=2&nst=18
video

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

SONETO LIVRE Á INFÂNCIA LIVRE

http://www.youtube.com/watch?v=Yw162e5EzQo (Assista no youtube)

Soneto Livre à Infância Livre

Insistir no que não mais existe
É viver uma vida de engano
É não ser feliz nem triste
É tornar seu mundo profano

Toda decepção trás crescimento?
Se for, quero ser pequeno
Na infância era só divertimento
Tinha tudo que queria, era pleno

Se caia, alguém que me amava estendia a mão
Se chorava, um sorvete ganhava
Sei que ser criança não é a melhor solução

Mas era feliz, isso que importava
O que eu não queria, deixava bem claro
Com uma cara franzida e brava

(Decimar Biagini)

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Acróstico na Comuna Fernando Pessoa = Orkut

Palavra> Vertiginoso

Vórtice atraente
Encantador olhar
Riso envolvente
Tilitando ao frear
Insinua-se de frente
Guia meu desejar
Instinto fervente
Num doce pecar
Ouço murmúrio estridente
Suavizando meu tocar
Outra vez a amar

Decimar Biagini

Deixa Estar


Novo filho meu, inspirado na música "Let it Be" dos Beatles
"Deixa Estar"
http://www.youtube.com/watch?v=nZpeIXQ8JGQ&feature=channel



Ontem resolvi abraçar, relutei em lançar um abraço ursolino, não se conhece um amigo da noite para o dia, mas quando a confiança é dada, um novo abraço pode ser retificador e restaurador (por que nunca dizemos não para pessoas bacanas?).
Um bom ombro amigo torna as coisas muito fáceis, adorei sua mágica, tão boa quanto a fabricação do pão, pois os ingredientes são todos bem conhecidos e entendidos. Contudo, quando esses ingredientes comuns são misturados, a mistura é amassada repetidas vezes e depois assada, é retirado do forno um produto completamente diferente.
Luto com a analogia e a metáfora porque a experiência da solução mágica não é uma experiência intelectual.
Todavia, a única ferramenta que disponho para buscar a solução é a palavra digital linear sobre um fundo virtual. Não é fácil explicar a mágica multidimencional em simples fundos bidimencionais. Contudo, a solução mágica não abandona a razão. O supereu determina as margens e passa a ser companheiro da zona do coração. Aí meu grande conflito.
Não há nada de errado em sentir medo, que enfrentando o seu medo você conquistará a liberdade.
Sugiro que nós pulemos do penhasco, nos sentindo euforicamente livres, que confiemos em nossa experiência e apreciemos o passeio, deixemos acontecer. Libertemo-nos, apenas saltemos, na busca incansável do vôo livre...

sábado, 1 de novembro de 2008

Soneto aos problemas noturnos

No youtube: http://www.youtube.com/watch?v=Wi-SWaDEECY

Acordei tarde num dia chuvoso,
a noite foi me matando aos poucos.
Eis que ressuscitei hoje de novo,
ao relembrar momentos loucos

Não sei quantas noites durarei
Nem quando cessarei de acordar
Sem saber ao certo o que sonhei
Queria poder ao teu lado acordar

É uma pena, as pessoas tem medo
Nesta vida terrena, poucos de coragem
Sairei de cena, acordando cedo?

As escolhas boas devem ser feitas
Sigo minha sensibilidade e intuição
Mas razão, por que não me aceitas?

Decimar Biagini
video

Soneto Livre à vida morna

Insistir no que não mais existe
É viver uma vida de engano
É não ser feliz nem triste
É tornar seu mundo profano

Toda decepção trás crescimento?
Se for, quero ser pequeno
Na infância era só divertimento
Tinha tudo que queria, era pleno

Se caia, alguém que me amava estendia a mão
Se chorava, um sorvete ganhava
Sei que ser criança não é a melhor solução

Mas era feliz, isso que importava
O que eu não queria, deixava bem claro
Com uma cara franzida e brava

(Decimar Biagini, num dia chuvoso e dolorido)

Qual tema nos poemas mais te atrai?